PARA VOCÊ

Seu blog com temas de interesse do CORRETOR DE IMÓVEIS

quarta-feira, 18 de dezembro de 2013

Apostando no conhecimento

Pensamento do dia 
"Para as pessoas que dirão: você não vai conseguir. Responda: me observe."




                          Conhecimento e profissionalismo resultam em Competência



Veja os cursos promovidos pelo INEDI, neste verão.


CURSO DE DOCUMENTAÇÃO IMOBILIÁRIA
 O QUE ESTE CURSO LHE OFERECE: Cada vez mais o mercado imobiliário se especializa necessitando assim de profissionais aptos a analisar toda a documentação imobiliária, transmitindo maior segurança e solucionando possíveis problemas no curso de um processo de transferência de propriedade de um imóvel.CORRETOR, investindo

CONTEÚDO
Legislação;
Procurações;
Contrato de Corretagem Imobiliária;
Instrumento de Cessão de Direito;
Contrato de Compra e Venda;
Contrato de Permuta;
Matrícula e o “Principio de quem não registra não é dono”;
Documentos Gerais de Imóveis de Incorporação;
Registros Existentes na Matrícula;
Imóvel Objeto de Inventário;
Registros na Locação na Matrícula;
Imóvel de Proprietário Menor de Idade;
Contrato de Gaveta;
Imóvel de Pessoa Jurídica;
Escritura Pública X Escritura Particular
Alvará Judicial;
* O conteúdo programático poderá sofrer algumas modificações;
Público-Alvo:
Corretores de Imóveis, alunos e estagiários do Curso TTI, alunos de cursos sequenciais, tecnólogos, gestão de negócios imobiliários, secretarias e funcionários de imobiliárias, construtores e pessoas interessadas em ingressar no mercado imobiliário.

 MINISTRADO pelo PROFº Adriano Junges Oliveira: professor do Instituto Nacional de Educação Imobiliária (INEDI/DF), Corretor de Imóveis, Juiz Arbitral pela 8ª Câmara Arbitral do Rio de Janeiro -RJ, Bacharel em Direito pela UFRR, Ciências Militares pela AMAN, Especialista em Direito Publico, Avaliador e Vistoriador de Imóveis, Sócio-Proprietário da Morada Negócios Imobiliário e Soluções Jurídicas ou Consensuais (foco em Direito Imobiliário); palestrante com ênfase na prática diária da atividade de despachante imobiliário e em sua colaboração para a segurança jurídica nos negócios imobiliários.

Local: AUDITÓRIO do INEDI-Df
Data/horário: 03 (segunda), 05 (quarta) e 07 (sexta) de fevereiro de 2014 das 18:00 / 22:00 hs.
CARGA HORÁRIA: 12 (doze) horas/aula;

INVESTIMENTO: (incluso Resumo, coffee break e certificado)
R$200,00 (duzentos) à vista ou em até  02 X R$110,00 (cento e dez  reais) no boleto bancário;
ATENÇÃO: Os alunos matriculados neste curso estão isentos do investimento no Curso Básico de Financiamento Imobiliário (Veja abaixo)
INFORMAÇÕES E MATRÍCULAS:

(61) 3202-6661; 3321-6614 (INEDI) ou 8414-9073; 4141-7187 (Prof. Adriano Junges/ Morada Negócios)




CURSO BÁSICO DE FINANCIAMENTOS IMOBILIÁRIOS
 O QUE ESTE CURSO LHE OFERECE: O mercado imobiliário necessita cada vez mais de corretores de imóveis capacitados quanto ao assunto “financiamento imobiliário”. Veja o CRESCIMENTO DO CRÉDITO IMOBILIARIO ATUAL estampados nos jornais.                 O cliente necessita receber informações para “fechar a compra” e, muitas vezes, o corretor, o construtor, a secretaria Imobiliária, o próprio analista não possuem informações convincentes para assegurar tranquilidade ao cliente neste momento.

CONTEÚDO
Conceito
Atuação junto aos Órgãos Financeiros
Financiamentos CEF e BB (principais diferenças de análises de rendas e características gerais de procedimentos)
O Contrato e seu registro (trâmite prático)
Financiamento Imobiliário MCMV / FGTS / SBPE – regras atuais junto à CEF e BB (Exemplos Práticos)
Consórcios
Leis que dispõe sobre os Sistemas de Financiamentos (breves comentários)
O “dever saber de financiamento imobiliário” do Corretor de Imóveis, Construtor, Secretaria Imobiliária, Analista Imobiliário
Formulários e modelos de documentos – (CEF e BB, comentários)
Exemplos Práticos
*O Conteúdo Programático poderá sofrer alguns ajustes

INVESTIMENTO: R$100,00 (cem reais) ou duas vezes de R$60,00 (sessenta reais)
ATENÇÃO: Os alunos matriculados no Curso Documentação Imobiliária (acima) são isentos do investimento neste curso

Público-Alvo:
Corretores de Imóveis, alunos e estagiários do Curso TTI, alunos de cursos sequenciais, tecnólogos, gestão de negócios imobiliários, secretarias e funcionários de imobiliárias, construtores e pessoas interessadas em ingressar no mercado imobiliário.

 MINISTRADO pelo Prof° Adriano Junges Oliveira: professor do Instituto Nacional de Educação Imobiliária (INEDI-DF) Brasília - DF , Corretor de Imóveis, Juiz Arbitral pela 8ª Câmara Arbitral do Rio de Janeiro - RJ, Bacharel em Direito pela UFRR, Ciências Militares pela AMAN, Especialista em Direito Publico, Avaliador e Vistoriador de Imóveis, Sócio-Proprietário da Soluções Jurídicas ou Consensuais e Morada Negócios Imobiliário. Esta Empresa, correspondente de Financiamento Bancário de Financiamento Imobiliário e, trabalhando para várias “Empresas/particulares” como “Secretarias de Vendas” no Financiamento Imobiliário”; palestrante com ênfase na prática diária da atividade de financiamento imobiliário.

Local: AUDITÓRIO do INEDI-Df;

Data/hora: 04 (terça) e 06 (quinta) fevereiro de  2014 / das  18:00 / 22:00 hs
CARGA HORÁRIA: 08 (oito) horas/aula;
INFORMAÇÃO PARA  MATRÍCULA
(61) 3202-6661; 3321-6614 (INEDI) ou 8414-9073; 4141-7187 (Prof. Adriano Junges/ Morada Negócios)



quarta-feira, 11 de dezembro de 2013

Responsabilidade Civil do CORRETOR imobiliário

Ética e Postura Profissional.




Pensamento do dia 


"Reze como se tudo dependesse de Deus e trabalhe como se tudo dependesse de você."






O alvo é você CORRETOR



Veja o video:








O COFECI orienta você sobre a conduta correta.

segunda-feira, 9 de dezembro de 2013

Definição de Termos Imobiliários



Pensamento do Dia
"O gênio é Deus quem nos dá, mas o talento é por nossa conta."



Incorporador Imobiliário


O Incormporador pode ser pessoa juridica ou fisica e ele tem como objetivo promover e realizar a construção, para alienação total ou parcial de edificações ou conjunto de edificações compostas de unidades autônomas. (Wikipédia, verbete "Incorporação imobiliária".) O incorporador é, portanto,  responsável por partes ou por todas as etapas de um empreendimento com característica de condomínio como, por exemplo:  edificios;  bairros;  condomínios residênciais e comerciais.
Ele responde jurídicamente pela administração do empreendimento, ou seja, cabe a ele a contratação e fiscalização dos serviços das construtoras, empresas de marketing,  engenheiros, arquitetos necessários para a realização do projeto.
O sucesso e a credibilidade do empreendimento é de responsabilidade do Incorporador.
É importante informar que você CORRETOR, pode ser um Incorporador.


sexta-feira, 29 de novembro de 2013

Escrevendo corretamente. Continue...

Pensamento do dia 
 "Que a inspiração chegue, não depende de mim. A única coisa que posso fazer é garantir que ela me encontre trabalhando."



E tome hífen CORRETOR!


SOBRE O ACORDO ORTÓGRAFICO DA LÍNGUA PORTUGUESA


  PALAVRAS COMPOSTAS OU FORMADAS POR JUSTAPOSIÇÃO
O hífen é mantido nas palavras compostas nas quais os termos mantêm significado próprio, mantendo inclusive o acento: ano-luz, arcebispo-bispo, arco-íris, decreto-lei.
EXCEÇÃO: certos compostos nos quais foi perdida a noção de composição ficam sem hífen: girassol, madressilva, mandachuva, pontapé, paraquedas, paraquedista etc.
Observação: utiliza-se o hífen em palavras como: euro-mediterrânico, ibero-americano (e também ibero-americanismo), luso-asiático, sino-japonês; não se emprega hífen em palavras como: eurocético, iberofilismo, lusofalante, sinologia.

  NAS PALAVRAS COMPOSTAS QUE DESIGNAM ESPÉCIES ANIMAIS OU VEGETAIS
Palavras que designam espécies estudadas pela zoologia ou pela botânica mantêm o hífen, tendo ou não ligação por artigo ou começo por forma verbal: abóbora-menina, couve-flor, erva-doce, feijão-verde; bênção-de-deus, erva-do-chá, ervilha-de-cheiro, fava-de-santo-inácio; bem-me-quer (nome de planta que também se dá à margarida e ao malmequer).

  NOS COMPOSTOS COM OS ADVÉRBIOS BEM E MAL
Sendo o primeiro termo o advérbio "bem" ou "mal" e a palavra seguinte começada por vogal, h, ou l (no caso de "mal"), o hífen será usado. 
Entretanto, o advérbio bem nem sempre se aglutinará ao segundo termo, como acontece com mal: bem-aventurado, bem-estar, bem-humorado; mal-afortunado, mal-estar, mal-humorado; mal-limpo; bem-criado (mas: malcriado), bem-ditoso (mas: malditoso), bem-falante (mas: malfalante), bem-nascido (mas: malnascido), bem-visto (mas: malvisto).
Observação: há casos no qual o advérbio aparecerá aglutinado ao termo seguinte, tendo ou não unidade de significado - benfazejo, benfeito, benfeitor, benquerença  etc.

  NOS COMPOSTOS COM OS ELEMENTOS ALÉM, AQUÉM,  RECÉM E SEM
O hífen sempre será usado quando o termo for começado pelos prefixos além, aquém, além, recém e sem: além-atlântico, além-mar, além-fronteiras; aquém-mar, aquém-pireneus; recém-casado, recém-nascido; sem-cerimônia, sem-número, sem-vergonha.

  NOS COMPOSTOS COM OS ELEMENTOS NÃO E QUASE
O hífen não será usado quando as palavras não e quase são utilizadas como prefixo, mantendo-se os elementos separados: não agressão, não elástico, quase delito, quase elástico etc.

  NAS LOCUÇÕES EM GERAL NÃO SE USA O HÍFEN. O ACORDO FORNECE VÁRIOS EXEMPLOS:
a) substantivas: cão de guarda, fim de semana, sala de jantar;
b) adjetivas: cor de açafrão, cor de café com leite, cor de vinho;
c) pronominais: cada um, ele próprio, nós mesmos, quem quer que seja;
d) adverbiais: à parte, à vontade, de mais, depois de amanhã, em cima, por isso;
e) prepositivas: abaixo de, acerca de, acima de, a fim de, a par de, à parte de, apesar de, aquando de, debaixo de, enquanto a, por baixo de, por cima de, quanto a;
f) conjuncionais: a fim de que, ao passo que, contanto que, logo que, por conseguinte, visto que.
EXCEÇÃO: nos casos consagrados pelo uso o hífen é mantido - água-de-colônia, arco-da-velha, cor-de-rosa, mais-que-perfeito, pé-de-meia, ao deus-dará, à queima-roupa.

  USO DO HÍFEN NAS FORMAÇÕES COM PREFIXOS OU PSEUDOPREFIXOS
 TERMINADOS COM A MESMA VOGAL QUE INICIA A PALAVRA SEGUINTE
O hífen passa a ser utilizado quando o prefixo/pseudoprefixo se encerrar com a mesma letra que inicia a segunda palavra: anti-ibérico, anti-inflamatório, contra-almirante, infra-axilar, supra-auricular; arqui-irmandade, auto-observação, eletro-óptica/eletro-ótica, micro-ondas, semi-interno.
1ª EXCEÇÃO: o prefixo co - sempre se aglutina, mesmo se a palavra seguinte for começada por o: coobrigação, coocupante, coordenar, cooperação, cooperar, etc..
2ª EXCEÇÃO: o prefixo re- (não mencionado expressamente no Acordo), de acordo com o Vocabulário Ortográfico da Língua Portuguesa, lançado pela Academia Brasileira de Letras em março de 2009, também se aglutina: reeleição, reescrever. De acordo com Evanildo Bechara, isto se deveu à tradição linguística já estabelecida.


Fonte: Fonte: Wikipédia  - com adaptações
Prof.: Fábia Alves Oliveira

RELAXE!


segunda-feira, 25 de novembro de 2013

Escrevendo certo




Pensamento do dia 
"Quando houver mais de uma explicação, a mais simples em geral é a certa."




O CORRETOR deve escrever corretamente.

A professora  Fábia Alves Oliveira compilou as regras mais importantes para o uso do hífem. Deem uma olhada:

SOBRE O NOVO ACORDO ORTOGRÁFICO DA LÍNGUA PORTUGUESA

Em 16 de dezembro de 1990 foi assinado um Acordo Ortográfico da Língua Portuguesa entre Portugal, Brasil, Angola, São Tomé e Príncipe, Cabo Verde, Guiné-Bissau, Moçambique e, posteriormente, por Timor Leste com o objetivo de introduzir algumas alterações na Língua Portuguesa, unificando, assim, as regras do português escrito em todos os países que têm a Língua Portuguesa como idioma oficial. Há também outros benefícios advindos da unificação, tais como: redução no custo da produção e tradução de livros, melhoria do intercâmbio cultural.
Aqui no Brasil, a implementação do Novo Acordo Ortográfico estava prevista para o dia 1º de janeiro de 2013, entretanto, foi adiada para 1º de janeiro de 2016. Ressalta-se que Portugal também estabeleceu esse último prazo. Dessa forma, ainda continua valendo a ortografia atual, todavia, a do novo acordo também poderá ser utilizada.
Contudo, a fim de que não tenhamos dificuldades em 2016, é importante nos apropriarmos das novas regras. Aqui trataremos, mais especificamente, apenas dos usos do HÍFEN.

Mas antes de qualquer coisa, o que é o hífen mesmo?
“Sinal gráfico (-) usado para ligar os elementos de palavras compostas , unir pronomes átonos a verbos, e separar, no fim da linha, uma palavra em duas partes.”
Fonte: Míni Aurélio, 7ª edição. Revisado conforme Acordo Ortográfico.  2009

Dessa forma, segundo o Novo Acordo Ortográfico da Língua Portuguesa usamos o HÍFEN da seguinte forma....

                                                                   USAMOS O HÍFEN QUANDO...

a) o segundo termo começar por h: anti-higiênico, circum-hospitalar, co-herdeiro, contra-harmônico, extra-humano, pré-história, sub-hepático, super-homem, ultra-hiperbólico; arqui-hipérbole, eletro-higrômetro, geo-história, neo-helênico, pan-helenismo, semi-hospitalar;
EXCEÇÃO: quando o prefixo for des- ou in- e pelo uso tiver acontecido a aglutinação: desumano, desumidificar, inábil, inumano etc..;

b) os prefixos circum- e pan- são separados por hífen do segundo elemento se este começar por vogal, h, m ou n: circum-escolar, circum-murado, circum-navegação; pan-africano, pan-histórico, pan-mágico, pan-negritude  etc..;
EXCEÇÃO: quando o prefixo for pan- e o segundo elemento começar por b: pan-brasileiro, pan-babilonismo (mas também pambabilonismo ou pambiotismo);

c) nas formações com os prefixos hiper-, inter- e super- e o segundo termo for começado por r, o hífen será mantido, por questão de pronúncia: hiper-requintado, inter-resistente, super-revista;

d) nas formações com os prefixos ex-, sota-, soto-, vice- e vizo-: ex-almirante, ex-diretor, ex-hospedeira, ex-presidente, ex-primeiro-ministro, ex-rei; sota-piloto, soto-mestre, vice-presidente, vice-reitor, vizo-rei;

e) nas formações com os prefixos tônicos acentuados graficamente pós-, pré- e pró-, quando o segundo elemento tem vida à parte (mas as correspondentes formas átonas que se aglutinam com o elemento seguinte): pós-graduação, tônico/pós-tônico (mas: pospor); pré-escolar, pré-natal (mas: prever); pró-africano, pró-europeu (mas: promover);

f) nas formações com os prefixos ab-, ad-, ob-, sob- e sub-, quando o segundo elemento tem vida à parte e começa por r, fazendo prevalecer o princípio da adaptação da ortografia à pronúncia: ab-rogar, ad-renal, ob-reptício, sob-roda, sub-raça etc;



                                                                             NÃO USAMOS O HÍFEN QUANDO...
a) o prefixo ou falso prefixo for começado por vogal e o termo seguinte for começado por r ou s: antirreligioso, antissemita, contrarregra, contrassenha, cosseno, extrarregular, infrassom, minissaia, biorritmo, biossatélite, eletrossiderurgia, microssistema, microrradiografia, ultrassom.
b) o prefixo ou pseudoprefixo for terminado em vogal e o segundo elemento começar por uma vogal diferente, prática esta em geral já adotada também para os termos técnicos e científicos: antiaéreo, coeducação, extraescolar, aeroespacial, autoajuda, autoescola, autoestrada, autoaprendizagem, agroindustrial, hidroelétrico, plurianual.

No próximo post, empregos específicos do hífen. 

Fonte: Fonte: Wikipédia  - com adaptações
Prof.:  Fábia Alves Oliveira


quarta-feira, 20 de novembro de 2013

Como se tornar um CORRETOR...



Pensamento do Dia

"Algo só é impossível até que alguém duvide e prove o contrário."




Na terra do Tio Sam.


A boa noticia CORRETOR: -não precisa ser um cidadão americano.

E as outras noticias?
Curso obrigatório pesado.

  • 63 horas/aulas (de 8:00 às 18:00h);
  • Estudar leis durante 6 dias (duração do curso);
  • Conteúdo de um livro de 500 páginas;
  • Nota de aprovação  acima de 70 pontos;
  • Valor do curso (média de 300 dolares);
  • Ser investigado pelo DBPR  (Department of Business Professional Regulation) e FBI;
  • Aprovado no curso, agendar e passar no concurso estadual.

Acha que é pouco?
Não é mesmo.

Além dos requisistos acima, confira outras tantas exigências em:  http://brasileirovivendonoseua.blogspot.com.br/2013/11/como-se-tornar-corretor-de-imoveis-nos.html


sábado, 9 de novembro de 2013

Fatores que valorizam o imóvel


Pensamento do dia 
"Como as pessoas se sentem é, geralmente, tão importante quanto o que elas fazem."
Burrhus Frederic Skinner "



CORRETOR,  atualizando e reforçando o conhecimento

De acordo com a Infomoney:

"Quando se considera adquirir ou vender um imóvel em um condomínio, é preciso avaliar não apenas a metragem, o valor ou as condições de pagamento. Há diversos fatores que podem influenciar no preço e valorizar - ou desvalorizar - a residência."

Na visão do superintendente de vendas Eder Guerrero a região, condominio clube e sustentabilidade, são itens relevantes para o cliente. Portanto CORRETOR, olho neles!


segunda-feira, 4 de novembro de 2013

Definição de termos imobiliários


Pensamento do dia

"Uma longa viagem começa com um único passo."
(Lao Tsé)


O que é Bolha Imobiliária e suas principais causas



Bolha Imobiliária. Lembrando o Zeca Pagodinho: Nunca vi, nem comi, eu só ouço falar.

Desencadeou a atual crise dos Estados Unidos.  O berço do termo.
  • Imóveis muito acima de seu valor real;
  • permissão para financiar até o valor total do imóvel;
  • pessoas não conseguindo pagar suas dívidas de financiamento.

Estes foram os principais fatores que deram início ao “estouro da boiada” (crise de 2007 e 2008).

As opiniões em relação ao Brasil estar vivendo ou não uma “bolha imobiliária” se dividem.  


"Um dos alertas mais recentes de Robert Shiller (um dos ganhadores do prêmio Nobel de Economia) para o Brasil é o de uma bolha imobiliária – tema que o professor de Yale domina.”

“Os níveis atuais de preço, no mercado imobiliário, não condizem com a evolução da renda, isso sinaliza um excesso de valorização nos preços de imóveis, mas para chamar de bolha imobiliária, estamos longe”, afirmou Marcelo Torto, analista da Ativa Corretora."

Leia o artigo na integra e entenda mais sobre esse tema:

http://exame.abril.com.br/mercados/noticias/nao-ha-bolha-mas-imobiliarias-preocupam-alertam-analistas



terça-feira, 29 de outubro de 2013

Cliente e Prioridade

Ética e Postura Profissional.




Pensamento do dia 


"Reze como se tudo dependesse de Deus e trabalhe como se tudo dependesse de você."






O alvo é você CORRETOR



Veja o video:








O COFECI orienta você sobre a conduta correta.



segunda-feira, 21 de outubro de 2013

Cliente e Prioridade





PENSAMENTO DO DIA 

"Comece tirando os pés do chão. Voar? Por que não?"


Cliente C - O Independente



Quer morar sozinho. Ótimo!
O normal é um cliente jovem. Então sua principal preocupação é com a praticidade, comodismo e modernidade. 

A praticidade exige pisos e revestimentos fáceis de limpar e de conservar limpos. O tamanho do imóvel é conforme o gosto e a disponibilidade financeira do cliente. Lembrando que quanto maior mais tempo será necessário na hora da limpeza. Por outro lado, um imóvel maior permite alugar um quarto para uma pessoa da escola ou do trabalho (o quê pode ajudar a amortizar o investimento).

O moderno requer a disposição de poucos móveis mas estes necessitam de espaços, pois deveram ter tamanho suficientes para guardar os vários tipos de objetos e utensílios necessários. Objetos e utensílios que normalmente podem ser expostos como enfeites, poluem a visão do moderno, além de exigirem a limpeza diária que compromete a praticidade. 

O comodismo está diretamente ligado à proximidade do local de trabalho/escola. O tempo a perder com a locomoção é precioso e compromete o tempo do lazer.

A facilidade dessa venda é a vontade férrea de ser independente.
A dificuldade é perder as facilidades de morar com os pais.


sexta-feira, 18 de outubro de 2013

Cliente e Prioridade

PENSAMENTO DO DIA 
"Lembre sempre da importancia do momento e do motivo.
 Não perca nunca um momento por um motivo. 
Você poderá ter várias vêzes o mesmo motivo, jamais o mesmo momento."



Cliente B - Pai de Família


A preocupação é com o bem estar da família. Então CORRETOR o espaço deve ser maior. O imóvel ideal deve ser em local residêncial, próximo de pequenos comércios e escolas. Isso facilita principalmente a vida dos pais. Preocupação também com os acessos. Tanto de outros lugares para a residência, como da residência para o comércio e a escola.  O imóvel deve ser confortável para todos e por um longo periodo. Afinal ali vai viver uma familia e provavelmente por muito tempo. Não é nada fácil comprar um imóvel grande e menos ainda fazer mundanças com a familia. O CORRETOR deve estar ciente se as condições financeiras do cliente permiti, além do quarto do casal, que todos os outros membros tenham um quarto só seu.  Quarto é a área privativa de seu habitante. Se for um quarto para cada, a preocupação será com a janela proporcionando uma boa ventilação, luminosidade, segurança (grade) e espaço suficiente para a distribuição dos móveis (cama, armario e/ou escrivaninha, etc). Quando o quarto não for individual, deve ser pensado em espaço de móveis  individuais (camas e armários) para todos.  Tanto para o quarto do casal quanto para o individual ou não,  a preferência "nacional" é uma suite. Dentro das possibilidades, a sala de reunião da familia é a sala de televisão. Então espaço para sofas e estantes. Essas reuniões podem ser também em uma sala de jantar ou em uma cozinha que comporte os dois ambientes. Tanto a sala de jantar como a cozinha para os dois ambientes deve possuir espaço sufuciente para funcionar com harmonia e com praticidade. Uma boa área externa é bem vinda. Tanto para comportar um churrasquinho familiar, como para distribuir as maquinas de lavar, secar, mesa de passar roupa, tanque e um pequeno espaço para guardar materiais de limpeza e vassouras. E a garagem? Para dois ou três carros? O cliente vai definir.


A facilidade da venda é a de que a familia precisa de mais espaço.
A dificuldade é como sempre, a parte financeira e agradar a "gregos e troianos" dessa familia.



quarta-feira, 16 de outubro de 2013

Cliente e Prioridade

PENSAMENTO DO DIA 
"Se você obedecer todas as regras, acaba perdendo a diversão. Ouse"


Cliente  A – NOIVOS.  Ninho de amor. 


O amor está no ar. O lar deve ser aconchegante. Pode ser pequeno. Deve ter um quarto para visitas, no caso de familiares em outra cidade. Atenção concentrada?! No quarto do casal, sala de visitas e cozinha. 

Quarto bem arejado. Janela longe de olhares indiscretos. Espaço para o descanso e acomodar os objetos pessoais de ambos. Deve ser confortável. Indispensável uma suíte.  São detalhes importantíssimos para o quarto ideal.

A sala de visita deve possuir uma boa janela, de preferência de correr para não ocupar espaço. Melhor ainda se for porta que acesse uma varanda, mesmo que pequena. O ar de aconchego para os amigos que os "pombinhos" vão receber deve ser bem pensado.

A preocupação com a cozinha diz respeito à parte funcional. É um espaço de trabalho onde atuarão, "normalmente" e ao mesmo tempo, duas pessoas (um fazendo o alimento e o outro arrumando e/ou guardando a louça).

Explore a facilidade dessa venda, tendo em vista a motivação  de nova etapa da vida.
Não perca de vista as dificuldades. Insegurança e muitos compromissos financeiros. 



















segunda-feira, 14 de outubro de 2013

Perfil de clientes e suas necessidades


Pensamento do dia


Chique?! É conviver "e bem" com as diferenças. 




CORRETOR, atenção para o perfil e a  prioridade do seu cliente.






Cliente  A – NOIVOS.  Ninho de amor.










Cliente  B – PAI DE FAMÍLIA. O bem estar de todos. 







Cliente C - INDEPENDENTE – Esse vai te dar trabalho! 









Cliente D - INVESTIDOR – Fora coração! Só razão.



Nos próximos posts, falaremos detalhadamente de cada cliente. Não perca.  Fique de olho, CORRETOR.