PARA VOCÊ

Seu blog com temas de interesse do CORRETOR DE IMÓVEIS

sexta-feira, 29 de novembro de 2013

Escrevendo corretamente. Continue...

Pensamento do dia 
 "Que a inspiração chegue, não depende de mim. A única coisa que posso fazer é garantir que ela me encontre trabalhando."



E tome hífen CORRETOR!


SOBRE O ACORDO ORTÓGRAFICO DA LÍNGUA PORTUGUESA


  PALAVRAS COMPOSTAS OU FORMADAS POR JUSTAPOSIÇÃO
O hífen é mantido nas palavras compostas nas quais os termos mantêm significado próprio, mantendo inclusive o acento: ano-luz, arcebispo-bispo, arco-íris, decreto-lei.
EXCEÇÃO: certos compostos nos quais foi perdida a noção de composição ficam sem hífen: girassol, madressilva, mandachuva, pontapé, paraquedas, paraquedista etc.
Observação: utiliza-se o hífen em palavras como: euro-mediterrânico, ibero-americano (e também ibero-americanismo), luso-asiático, sino-japonês; não se emprega hífen em palavras como: eurocético, iberofilismo, lusofalante, sinologia.

  NAS PALAVRAS COMPOSTAS QUE DESIGNAM ESPÉCIES ANIMAIS OU VEGETAIS
Palavras que designam espécies estudadas pela zoologia ou pela botânica mantêm o hífen, tendo ou não ligação por artigo ou começo por forma verbal: abóbora-menina, couve-flor, erva-doce, feijão-verde; bênção-de-deus, erva-do-chá, ervilha-de-cheiro, fava-de-santo-inácio; bem-me-quer (nome de planta que também se dá à margarida e ao malmequer).

  NOS COMPOSTOS COM OS ADVÉRBIOS BEM E MAL
Sendo o primeiro termo o advérbio "bem" ou "mal" e a palavra seguinte começada por vogal, h, ou l (no caso de "mal"), o hífen será usado. 
Entretanto, o advérbio bem nem sempre se aglutinará ao segundo termo, como acontece com mal: bem-aventurado, bem-estar, bem-humorado; mal-afortunado, mal-estar, mal-humorado; mal-limpo; bem-criado (mas: malcriado), bem-ditoso (mas: malditoso), bem-falante (mas: malfalante), bem-nascido (mas: malnascido), bem-visto (mas: malvisto).
Observação: há casos no qual o advérbio aparecerá aglutinado ao termo seguinte, tendo ou não unidade de significado - benfazejo, benfeito, benfeitor, benquerença  etc.

  NOS COMPOSTOS COM OS ELEMENTOS ALÉM, AQUÉM,  RECÉM E SEM
O hífen sempre será usado quando o termo for começado pelos prefixos além, aquém, além, recém e sem: além-atlântico, além-mar, além-fronteiras; aquém-mar, aquém-pireneus; recém-casado, recém-nascido; sem-cerimônia, sem-número, sem-vergonha.

  NOS COMPOSTOS COM OS ELEMENTOS NÃO E QUASE
O hífen não será usado quando as palavras não e quase são utilizadas como prefixo, mantendo-se os elementos separados: não agressão, não elástico, quase delito, quase elástico etc.

  NAS LOCUÇÕES EM GERAL NÃO SE USA O HÍFEN. O ACORDO FORNECE VÁRIOS EXEMPLOS:
a) substantivas: cão de guarda, fim de semana, sala de jantar;
b) adjetivas: cor de açafrão, cor de café com leite, cor de vinho;
c) pronominais: cada um, ele próprio, nós mesmos, quem quer que seja;
d) adverbiais: à parte, à vontade, de mais, depois de amanhã, em cima, por isso;
e) prepositivas: abaixo de, acerca de, acima de, a fim de, a par de, à parte de, apesar de, aquando de, debaixo de, enquanto a, por baixo de, por cima de, quanto a;
f) conjuncionais: a fim de que, ao passo que, contanto que, logo que, por conseguinte, visto que.
EXCEÇÃO: nos casos consagrados pelo uso o hífen é mantido - água-de-colônia, arco-da-velha, cor-de-rosa, mais-que-perfeito, pé-de-meia, ao deus-dará, à queima-roupa.

  USO DO HÍFEN NAS FORMAÇÕES COM PREFIXOS OU PSEUDOPREFIXOS
 TERMINADOS COM A MESMA VOGAL QUE INICIA A PALAVRA SEGUINTE
O hífen passa a ser utilizado quando o prefixo/pseudoprefixo se encerrar com a mesma letra que inicia a segunda palavra: anti-ibérico, anti-inflamatório, contra-almirante, infra-axilar, supra-auricular; arqui-irmandade, auto-observação, eletro-óptica/eletro-ótica, micro-ondas, semi-interno.
1ª EXCEÇÃO: o prefixo co - sempre se aglutina, mesmo se a palavra seguinte for começada por o: coobrigação, coocupante, coordenar, cooperação, cooperar, etc..
2ª EXCEÇÃO: o prefixo re- (não mencionado expressamente no Acordo), de acordo com o Vocabulário Ortográfico da Língua Portuguesa, lançado pela Academia Brasileira de Letras em março de 2009, também se aglutina: reeleição, reescrever. De acordo com Evanildo Bechara, isto se deveu à tradição linguística já estabelecida.


Fonte: Fonte: Wikipédia  - com adaptações
Prof.: Fábia Alves Oliveira

RELAXE!


segunda-feira, 25 de novembro de 2013

Escrevendo certo




Pensamento do dia 
"Quando houver mais de uma explicação, a mais simples em geral é a certa."




O CORRETOR deve escrever corretamente.

A professora  Fábia Alves Oliveira compilou as regras mais importantes para o uso do hífem. Deem uma olhada:

SOBRE O NOVO ACORDO ORTOGRÁFICO DA LÍNGUA PORTUGUESA

Em 16 de dezembro de 1990 foi assinado um Acordo Ortográfico da Língua Portuguesa entre Portugal, Brasil, Angola, São Tomé e Príncipe, Cabo Verde, Guiné-Bissau, Moçambique e, posteriormente, por Timor Leste com o objetivo de introduzir algumas alterações na Língua Portuguesa, unificando, assim, as regras do português escrito em todos os países que têm a Língua Portuguesa como idioma oficial. Há também outros benefícios advindos da unificação, tais como: redução no custo da produção e tradução de livros, melhoria do intercâmbio cultural.
Aqui no Brasil, a implementação do Novo Acordo Ortográfico estava prevista para o dia 1º de janeiro de 2013, entretanto, foi adiada para 1º de janeiro de 2016. Ressalta-se que Portugal também estabeleceu esse último prazo. Dessa forma, ainda continua valendo a ortografia atual, todavia, a do novo acordo também poderá ser utilizada.
Contudo, a fim de que não tenhamos dificuldades em 2016, é importante nos apropriarmos das novas regras. Aqui trataremos, mais especificamente, apenas dos usos do HÍFEN.

Mas antes de qualquer coisa, o que é o hífen mesmo?
“Sinal gráfico (-) usado para ligar os elementos de palavras compostas , unir pronomes átonos a verbos, e separar, no fim da linha, uma palavra em duas partes.”
Fonte: Míni Aurélio, 7ª edição. Revisado conforme Acordo Ortográfico.  2009

Dessa forma, segundo o Novo Acordo Ortográfico da Língua Portuguesa usamos o HÍFEN da seguinte forma....

                                                                   USAMOS O HÍFEN QUANDO...

a) o segundo termo começar por h: anti-higiênico, circum-hospitalar, co-herdeiro, contra-harmônico, extra-humano, pré-história, sub-hepático, super-homem, ultra-hiperbólico; arqui-hipérbole, eletro-higrômetro, geo-história, neo-helênico, pan-helenismo, semi-hospitalar;
EXCEÇÃO: quando o prefixo for des- ou in- e pelo uso tiver acontecido a aglutinação: desumano, desumidificar, inábil, inumano etc..;

b) os prefixos circum- e pan- são separados por hífen do segundo elemento se este começar por vogal, h, m ou n: circum-escolar, circum-murado, circum-navegação; pan-africano, pan-histórico, pan-mágico, pan-negritude  etc..;
EXCEÇÃO: quando o prefixo for pan- e o segundo elemento começar por b: pan-brasileiro, pan-babilonismo (mas também pambabilonismo ou pambiotismo);

c) nas formações com os prefixos hiper-, inter- e super- e o segundo termo for começado por r, o hífen será mantido, por questão de pronúncia: hiper-requintado, inter-resistente, super-revista;

d) nas formações com os prefixos ex-, sota-, soto-, vice- e vizo-: ex-almirante, ex-diretor, ex-hospedeira, ex-presidente, ex-primeiro-ministro, ex-rei; sota-piloto, soto-mestre, vice-presidente, vice-reitor, vizo-rei;

e) nas formações com os prefixos tônicos acentuados graficamente pós-, pré- e pró-, quando o segundo elemento tem vida à parte (mas as correspondentes formas átonas que se aglutinam com o elemento seguinte): pós-graduação, tônico/pós-tônico (mas: pospor); pré-escolar, pré-natal (mas: prever); pró-africano, pró-europeu (mas: promover);

f) nas formações com os prefixos ab-, ad-, ob-, sob- e sub-, quando o segundo elemento tem vida à parte e começa por r, fazendo prevalecer o princípio da adaptação da ortografia à pronúncia: ab-rogar, ad-renal, ob-reptício, sob-roda, sub-raça etc;



                                                                             NÃO USAMOS O HÍFEN QUANDO...
a) o prefixo ou falso prefixo for começado por vogal e o termo seguinte for começado por r ou s: antirreligioso, antissemita, contrarregra, contrassenha, cosseno, extrarregular, infrassom, minissaia, biorritmo, biossatélite, eletrossiderurgia, microssistema, microrradiografia, ultrassom.
b) o prefixo ou pseudoprefixo for terminado em vogal e o segundo elemento começar por uma vogal diferente, prática esta em geral já adotada também para os termos técnicos e científicos: antiaéreo, coeducação, extraescolar, aeroespacial, autoajuda, autoescola, autoestrada, autoaprendizagem, agroindustrial, hidroelétrico, plurianual.

No próximo post, empregos específicos do hífen. 

Fonte: Fonte: Wikipédia  - com adaptações
Prof.:  Fábia Alves Oliveira


quarta-feira, 20 de novembro de 2013

Como se tornar um CORRETOR...



Pensamento do Dia

"Algo só é impossível até que alguém duvide e prove o contrário."




Na terra do Tio Sam.


A boa noticia CORRETOR: -não precisa ser um cidadão americano.

E as outras noticias?
Curso obrigatório pesado.

  • 63 horas/aulas (de 8:00 às 18:00h);
  • Estudar leis durante 6 dias (duração do curso);
  • Conteúdo de um livro de 500 páginas;
  • Nota de aprovação  acima de 70 pontos;
  • Valor do curso (média de 300 dolares);
  • Ser investigado pelo DBPR  (Department of Business Professional Regulation) e FBI;
  • Aprovado no curso, agendar e passar no concurso estadual.

Acha que é pouco?
Não é mesmo.

Além dos requisistos acima, confira outras tantas exigências em:  http://brasileirovivendonoseua.blogspot.com.br/2013/11/como-se-tornar-corretor-de-imoveis-nos.html


sábado, 9 de novembro de 2013

Fatores que valorizam o imóvel


Pensamento do dia 
"Como as pessoas se sentem é, geralmente, tão importante quanto o que elas fazem."
Burrhus Frederic Skinner "



CORRETOR,  atualizando e reforçando o conhecimento

De acordo com a Infomoney:

"Quando se considera adquirir ou vender um imóvel em um condomínio, é preciso avaliar não apenas a metragem, o valor ou as condições de pagamento. Há diversos fatores que podem influenciar no preço e valorizar - ou desvalorizar - a residência."

Na visão do superintendente de vendas Eder Guerrero a região, condominio clube e sustentabilidade, são itens relevantes para o cliente. Portanto CORRETOR, olho neles!


segunda-feira, 4 de novembro de 2013

Definição de termos imobiliários


Pensamento do dia

"Uma longa viagem começa com um único passo."
(Lao Tsé)


O que é Bolha Imobiliária e suas principais causas



Bolha Imobiliária. Lembrando o Zeca Pagodinho: Nunca vi, nem comi, eu só ouço falar.

Desencadeou a atual crise dos Estados Unidos.  O berço do termo.
  • Imóveis muito acima de seu valor real;
  • permissão para financiar até o valor total do imóvel;
  • pessoas não conseguindo pagar suas dívidas de financiamento.

Estes foram os principais fatores que deram início ao “estouro da boiada” (crise de 2007 e 2008).

As opiniões em relação ao Brasil estar vivendo ou não uma “bolha imobiliária” se dividem.  


"Um dos alertas mais recentes de Robert Shiller (um dos ganhadores do prêmio Nobel de Economia) para o Brasil é o de uma bolha imobiliária – tema que o professor de Yale domina.”

“Os níveis atuais de preço, no mercado imobiliário, não condizem com a evolução da renda, isso sinaliza um excesso de valorização nos preços de imóveis, mas para chamar de bolha imobiliária, estamos longe”, afirmou Marcelo Torto, analista da Ativa Corretora."

Leia o artigo na integra e entenda mais sobre esse tema:

http://exame.abril.com.br/mercados/noticias/nao-ha-bolha-mas-imobiliarias-preocupam-alertam-analistas